Domingo
24 de Setembro de 2017 - 
Maior que a tristeza de não haver vencido é a vergonha de não ter lutado! (Rui Barbos ...
Viver significa lutar.(Seneca)
O mal não pode vencer o mal. Só o bem pode fazê-lo. (Leon Tolstoi)

Visitas por email

Bolsa de Valores

Bovespa -0,28% . . . .
NASDAQ 0,07% . . . .

Previsão do tempo

Hoje - Belém, PA

33ºC
23ºC
Poss. de Panc. de Ch

Segunda-feira - Belém...

33ºC
23ºC
Pancadas de Chuva a

Terça-feira - Belém,...

34ºC
24ºC
Pancadas de Chuva a

Quarta-feira - Belém,...

34ºC
23ºC
Poss. de Pancadas de

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 3,13 3,13
EURO 3,74 3,74
IENE 0,03 0,03
LIBRA ES ... 4,23 4,23

Manchetes jurídicas

SES deverá fornecer medicamento a criança portadora da deficiência do Hormônio do Crescimento

A Secretaria de Saúde do Estado de Goiás deverá fornecer, no prazo de cinco dias, o medicamento Somatropina (12) a uma criança, que sofre de síndrome nefrótica e é portadora da deficiência do Hormônio do Crescimento, denominada Hipopituitarismo. Após buscar insistentemente a medicação, a criança teve o tratamento negado pela Secretaria de Saúde. A decisão, unânime, é da 4ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), tendo como relator o juiz substituto em 2º grau, Delintro Belo de Almeida Filho. De acordo com o processo, a criança é portadora de síndrome nefrótica, necessitando do uso contínuo da medicação. Ao ser submetida a exames médicos, foi constatada que, embora, ela tenha 12 anos de idade, sua estatura é equivalente apenas a uma criança de 8 anos. Consta, que a responsável pela menor foi por persas vezes à Secretaria Estadual de Saúde e à Central de Medicamentos de Alto Custo Juarez Barbosa, tendo por objetivo resguardar o direito da criança, porém o pedido foi negado. Durante o processo, a mãe da criança afirmou que o medicamento é de alto custo e que, portanto, não possui condição financeira para arcar com a compra do remédio, uma vez que recebe apenas R$ 894,30 por mês e o remédio sai por R$ 1,5 mil mensais. Diante disso, a família ajuizou o mandado de segurança contra a Secretaria de Saúde, tendo por objetivo garantir o fornecimento do medicamento. O juízo da comarca de Quirinópolis concedeu a liminar pleiteada. Inconformada, a SES recorreu argumentando que o mandado de segurança é inadequado, tendo em vista a necessidade de produção de provas que comprovem a imprescindibilidade do medicamento postulado pela menor. Salientou, que não foram preenchidos os requisitos suficientes para disponibilização do fármaco, razão pela qual ocorreu o indeferimento do pedido administrativo. A Câmara de Saúde do Judiciário, por sua vez, emitiu parecer, sob o argumento de que a criança necessita se beneficiar do uso do medicamento somatropina e foi esse documento que embasou a decisão do magistrado. “Os documentos juntados aos autos são suficientes para o deslinde da questão, uma vez que o relatório médico e os exames demonstram a doença que acomete a criança”, afirmou Delintro Belo. Votaram acompanhando o juiz substituto em 2º grau, os desembargadores Elizabeth Maria da Silva, Nelma Branco Ferreira Perilo e Carlos Escher. Veja decisão Tweet
19/05/2017 (00:00)
Acessos  901339
© 2017 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.